Google+ Followers

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Dia Internacional da Pessoa com Deficiência



Fonte da Imagem: Internet

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Comunicação Aumentativa e Alternativa para o Desenvolvimento da Oralidade com

https://drive.google.com/file/d/0B65xmAIB-Kr6dFhTZTFaalprcGM/view?usp=sharing


O que é CAA? (Definição)

... Pessoas com Autismo

Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo

Poupatempo recruta pessoas com deficiência auditiva para testar aplicativo de tradução para libras:


Descrição da imagem: o aplicativo Hand Talk com o tradutor virtual Hugo. Texto: Acessível em Libras: Poupatempo
A imagem pode conter: texto

domingo, 20 de novembro de 2016

Audiodescrição

Notas Proêmias - Diretoria de Ensino Região Osasco


Trata-se de uma ave característica da América, existindo desde o sul do México até o Caribe e a América do sul. De beleza rara e de cor predominante verde, personagens dos quadrinhos, cinema e TV foram e são inspirados nesta ave.

Foto: Marina Takayama e Ivo Bispo

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Site: Entendendo Autismo


AUTISMO NA ESCOLA – O QUE VOCÊ PRECISA SABER?

A criança autista deve estar inserida no contexto integral da escola e a instituição, por sua vez, deve respeitar suas particularidades. Mesmo que muitos profissionais de educação se veem diante de um grande desafio para lidar com alunos que precisem de uma atenção maior, devemos dizer que a própria criança é quem lidará com barreiras a serem derrubadas.
Individualidade
É importante lembrar, contudo, que o autismo dá a pessoa uma característica única. Isso significa que cada aluno terá o seu jeito de ser. Essas crianças variam de gosto cognitivo, nível intelectual, gosto maior pela escola e gosto maior pelas nuances acadêmicas. Por outro lado, há aqueles que não demonstram essa tendência.

E qual é o suporte escolar que precisa estar consolidado para a educação da criança?

– Característica do estudante com autismo:
É importante que a equipe pedagógica identifique as principais características positivas e negativas com a finalidade de trabalhar sobre tais pontos.
– Perfil da equipe de instrução:
Como o grupo de profissionais atua, qual a formação dos educadores, o que a criança vai encontrar na escola? Como é a equipe de educação multidisciplinar e quem a compõe?
– Quantidade e qualidade dos recursos no contexto social, curricular e institucional:
Saber sobre o uso da metodologia de ensino baseado no contexto do aluno autista e como a escola pode fazer isso pelo estudante.

O que levar em conta quanto às características do aluno com TEA?

– Alta variabilidade de comportamento, desenvolvimento, acadêmico e intelectual (levam-se em consideração fatores como hipersensibilidades, coordenação motora, comunicação, comportamento mais ameno ou agressivo, etc.);
– Essencial para tomada de decisões na escola: esse processo não depende somente do professor, mas de uma boa avaliação neuropsicológica, fonoaudiológica, neuropediátrica; avaliação psicopedagógica.
– Auxilia na sequência de estratégias ao longo do tempo: saber a intensidade de materiais ou recursos humanos que ajudarão mais ainda o desenvolvimento do autista.

Como a criança pode absorver o conteúdo?

– Através da aproximação com a criança, utilizando-se objetos e maneiras que o autista se mostra interessado;
– Por meio de um ambiente que favoreça tal fruição;
– Metodologias que torne o aprendizado muito mais proveitoso;
– Acompanhar as necessidades do autista, como a escrita, por exemplo.

Quando a criança com autismo entra para a escola, quais são as formas de avaliação que o educador precisa promover?

– Características dos sintomas de autismo da criança: comportamentos repetitivos, interesses restritos, dificuldade de comunicação qualitativa e quantitativa, além da dificuldade de interação com os demais;
– Características associadas ao transtorno: a participação e permanência em sala de aula, cognitiva, memória de trabalho verbal, memória não verbal, percepção visual, transtornos relacionados, entre outros;
– Contexto instrucional: o perfil inclusivo da escola, preparação, padronização; como a instituição se estabelece no ensino do autista, entre outros.
Importante saber
Deve-se saber como lidar com os comportamentos inadequados, como as estereotipias, a hiperatividade, agressividade e os interesses circunscritos. Além disso, há os comportamentos deficitários que podem ser problemas de comunicação, isolamento, desinteresse por lazer e recreação.
Por último, o comportamento que se pauta no descontrole de estímulos. Este item diz respeito à desconexão entre o que ele quer, mas o contexto não pede. Ex: em vez de estudar, ele prefere brincar. É necessário que haja uma observação do educador a fim de buscar metodologias que tornem o aprendizado mais atrativo e eficaz.
Cuidados na sala de aula
– Uso de imagens de fácil assimilação;
– Promover um ambiente mais tranquilo;
-Sistemas de estímulos para que as crianças autistas não se sintam entediadas e comprometam o aprendizado;
– Suportes de comunicação que possibilitem a interação da criança com os conteúdos e os coleguinhas de classe;
Equipe de avaliação e apoio para impulsionar o desenvolvimento do autista na escola
– Psicólogo escolar;
– Pedagogo especial;
– Fonoaudiólogo;
– Terapeuta ocupacional/ educador físico.
É importante salientar que a evolução do aluno autista precisa estar em conjunto com essa equipe multidisciplinar.

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

ENEM 2016 - Necessidade de Adaptações

A inclusão deve ser uma das bandeiras principais da Educação. 🎓🎒Compartilhamos essa redação do professor Cristiano, que descreve muito bem as dificuldades que os surdos passaram no ENEM. 👍 Vamos fazer nossa parte.



Um professor surdo questiona o descaso sobre as adaptações para deficientes auditivos no exame nacional do ensino médio (Enem), segundo ele os…

SURDOSOL.COM.BR|POR SURDOS ONLINE

domingo, 30 de outubro de 2016

Acessibilidade aos idosos nos aeroportos


A Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara dos Deputados aprovou o projeto que obriga aeroportos e companhias aéreas a fornecer cadeira de rodas ou carros motorizados para atender pessoas idosas, com deficiência ou mobilidade reduzida no embarque e desembarque.

Pelo texto, as companhias aéreas devem ter pelo menos oito cadeiras de rodas ou carros motorizados para uso dos clientes e um funcionário para eventual ajuda.

Descrição da imagem #PraCegoVer: foto de uma cadeira de rodas próxima a uma janela do portão de embarque.



Objetivo é garantir acessibilidade para pessoas idosas, com deficiência ou mobilidade reduzida nos terminais.

WWW2.CAMARA.LEG.BR

Síndrome de Down

 


Uma criança norte-americana com síndrome de Down tornou-se estrela da Internet, depois de ter sido rejeitada por uma agência de modelos, e já conseguiu mudar…

JN.PT|POR GLOBAL MEDIA GROUP

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Agenda de Novembro - Eventos


Prepare-se! Novembro chegando e os eventos simultâneos de tecnologia, comunicação, reabilitação e inclusão da SEDPcD-SP estão imperdíveis! 



Descrição da imagem: uso de computador e máquina fotográfica com suporte na parte anterior da cabeça; e roda de cadeira em calçada irregular. Abaixo as logomarcas de cada evento.